Anime

Made in Abyss: sofrimento para todo lado

domingo, dezembro 03, 2017


Desde antes do lançamento do anime Made in Abyss, na temporada de julho deste ano, todos já estavam avisando: as aparências desse anime enganam, o negócio é sombrio! Mas o anime de fato entregou tudo aquilo que prometeu? E o próprio manga? Vamos por partes.

O anime se desenvolve em torno do Abyss, um buraco misterioso de pelo menos 20.000 metros de profundidade, lá dentro se encontram relíquias, animais (ou seria melhor chamar de monstros?) exóticos (perigosos ou não), paisagens totalmente diferentes de qualquer coisa na terra que enchem de emoção jovens exploradores. Entretanto há uma peculiaridade conhecida como maldição do abismo, em cada profundidade o efeito da subida no corpo humano difere, no primeiro nível são náuseas e tontura, enquanto no sexto nível é a perda da humanidade ou a morte. Nesse ponto o enredo já é sincero com o que vem pela frente.

Riko é uma garota que mora em um orfanato pois sua mãe era uma apito branco (o nível mais alto de exploradores) e já se encontrava num ponto sem volta do abismo. Em uma das explorações no primeiro nível é salva de um animal por um robô (uma desconhecida relíquia do abismo) que após salva-la desliga e perde sua memória. Os dois então decidem partir em uma aventura até o fundo do abismo, Riko para descobrir se sua mãe está viva após receber uma carta misteriosa e Reg para descobrir o que é e de onde veio.

O ANIME


O anime possui 13 episódios e adapta até o capitulo 25, e é consideravelmente leve até o capitulo 9, o ritmo é calmo e as dificuldades são superadas com facilidade. É só no capitulo 10 que a coisa começa a ficar mais pesada quando a Riko é machucada por um dos animais do abismo e entramos no arco da Nanachi que é bem bem triste.

Eu sei que muita gente não acredita que um anime com essa cara fofa pode ser pesado e se recusa a assistir, então se você é dessas pessoas e não se importa em saber o final continue por sua conta em risco. [spoiler] no episódio 10 a Riko é machucada por uma criatura venenosa e pede para o Reg amputar o braço dela, o que ele começa a fazer, primeiro quebrando os ossos com uma pedra e a seguir começando a cortar quando a Nanachi aparece e se oferece para ajudar.
Com a Riko desmaiada em processo de recuperação começamos a descobrir sobre o passado da Nanachi, ela era uma orfã que vivia em uma especie de favela e foi levada junto com muitas outras crianças para a quinta camada do abismo pelo apito branco Brondrewd. Na verdade o explorador estava usando crianças em experimentos relacionados a maldição da sexta camada a perda da humanidade ou a morte, o que levou a melhor amiga da Nanachi, Mitty, a se tornar um ser desfigurado e imortal, que sofreu inúmeras mutilações nas mãos do apito branco. Por mais que Mitty seja o "tesouro" da Nanachi esta tenta desde então por fim ao sofrimento da amiga.[/spoiler]

O episódio final é um especial de 1 hora em que no final você estará assim.


O MANGA

Página do capitulo 42

Dei uma lida por cima até o capitulo 25 e achei o anime bem fiel ao manga, acredito que a adaptação tenha sido muito bem sucedida deixando a cena do final do arco mais emocionante e arrancando lagrimas, basicamente, ver o anime vale a pena.

O manga só teve mais um arco concluído após o fim do adaptado e se encontra no começo do seguinte. No próximo arco as crianças enfrentam o assustador apito branco Brondrewd para que possa passar para a sexta camada. A desgraça nesse arco não é pouca e em minha opinião o arco consegue ser mais pesado do que o da Nanachi.

Atualmente o mangá se encontra no capítulo 43.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

O anime teve uma segunda temporada anunciada, então para quem não quiser ler o manga e souber segurar a curiosidade acredito que valha a pena aguardar. A data não foi confirmada e pelo material disponível no mangá acredito que irão pelo menos esperar o arco da Faputa terminar para adaptar o dois arcos juntos.

Eu recomendo muito a obra, alguém ai já assistiu?

Anime

Fairy Tail: lendo tudo em 3 meses ♥

quarta-feira, novembro 15, 2017


Publicação: agosto de 2006 - julho de 2017
Capítulos: 545
Nota no MAL: 7.99
Gêneros: aventura | fantasia | comédia | shounen

Esse vai ser um baita de um post gigantão, mas não se preocupem, os spoilers estarão bem avisadinhos! A primeira vez que eu comecei a ler Fairy Tail devia ser pra meados de 2008, li, gostei, e como não costumo acompanhar nada, parei. E quando eu descobri que o manga tinha terminado decidi ler tudo de uma vez.

A história gira em torno Lucy, uma maga de espíritos estelares que por coincidência conhece Natsu, um mago famoso da guilda que ela sempre sonhou em entrar: a Fairy Tail. A guilda é conhecida por seus integrantes que frequentemente destroem pedaços da cidade enquanto cumprem suas missões, mas que acima de tudo valoriza seus membros como uma família.

Fairy Tail é uma história que demora bastante pra engrenar, eu diria que só lá pro capitulo 258 no arco do Grand Magic Games que começamos a entrar na história principal, e os arcos começam a realmente se ligados um aos outros. Antes disso temos histórias "fechadas" que vão nos ambientando no universo, inserindo personagens e nos convencendo da ligação que os personagens tem.

Fairy Tail é igual coração de mãe

O autor Hiro Mashima mantem um clima e recursos narrativos muito constantes e basicamente é ame ou odeie: em Fairy Tail os personagens principais sempre serão overpower, ele faz parecer que eles estão em desvantagem só para no quadro seguinte eles destruírem seus adversários, metade dos inimigos se redimem e viram amigos e o sentimento de família e o amor pela guilda SEMPRE é um ponto principal, em todos os arcos. Apesar da repetição arco após arco poder ser uma desvantagem para alguns leitores eu não via desse jeito, porque ERA ISSO QUE EU QUERIA VER EM FAIRY TAIL, amor e finais felizes.

Dito isso outro ponto incomodo na obra é o ecchi, não consigo pensar em uma luta que as personagens femininas não acabem quase peladas, mas quando era usado para recurso humorístico eu achei muito bem vindo. As cenas ecchis com o Natsu e a Lucy, meu casalzinho favorito sempre me deixavam pra lá de feliz. Este também é um ponto diferente de muitas obras shonen: os casais apesar de não serem um foco eram muito claros e vez ou outra o autor alimenta nossos ships ♥

Os melhores arcos, na minha humilde opinião (contem spoilers)

Ao contrario do anime, o Natsu é bem gatinho no manga ♥

Phantom Lord Arc (47-69): Ao contrario da maioria dos arcos neste caso a guilda rival não era uma dark guild, e sim uma regulamentada que aceita um trabalho de sequestrar Lucy, a pedido de seu pai. O conflito se torna mais sério por Gajeel (ou Gazille em algumas traduções) um dos integrantes mais fortes da Phantom Lord ter destruído a guilda, ferido e crucificado três integrantes da Fairy Tail.
Depois do conflito a Phantom Lord acaba Juvia se junta à FT por estar apaixonada pelo Gray, e pede para que aceitem também o Gajeel, que segundo ela dificilmente se dava bem com outras pessoas.

Tenrou Island Arc (200-253): Para decidirem um membro da guilda para se tornar um S-Class os indicados e alguns outros membros vão para a Tenrou Island, solo sagrado da guilda onde fica o túmulo do primeiro mestre. Lá eles acabam encontrando o antigo mago Zeref, uma dark guild e algo que nem todos os membros juntos podem enfrentar: o grande rei dragão, Acnologia.

Grand Magic Games Arc (258-340): Que shounen que se preze não tem um arco de torneio, certo? Apos o ataque de Acnologia o então chamado "grupo da ilha tenrou" acorda e descobrem que se passaram 7 anos. Nesse meio tempo, sem nenhum de seus principais integrantes, a guilda passou a ser uma das mais fracas e eles decidem entrar no grande torneio mágico para re-estabelecer sua reputação.
Acho que o ponto mais forte deste arco é introduzir novos personagens, como os membros da Sabertooth e dar visibilidade para os poderes dos drangon slayers, mesmo que deixando claro que eles ainda não chegam aos pés dos verdadeiros dragões, apresentados no final do arco.

Maaaas, o Sting também é bem gatinho

Alvarez Empire Arc (438-545): Passado alguns arcos mais chatinhos (não sei porque mas Tartaros não me prendeu) temos finalmente o final. Todas as respostas são dadas em uma longa batalha com inimigos com poderes basicamente invencíveis, que acabam sendo vencidos por protagonismo. Não foi o melhor arco? De fato não, mas para mim foi o suficiente.

O último capitulo do manga!!!

O último capitulo seguiu aquele estilão de mostrar o que aconteceu depois, para ser mais exata um ano depois, mas foi incrivelmente frustrante. O autor passou o manga inteiro deixando explicito os casais que seriam canon para no fim deixar tudo subentendido, e o pior de tudo: não concretizar Natsu+Lucy *todos choram*

A lucy talvez tenha ouvido a Levi dizer para o Gajeel que eles vão ter um bebê, Elfman fica com a Ever (casal sem sal!), não tivemos uma resposta sobre o que acontecerá com a Elsa e o Jellal e o Gray comenta sobre o corpo da Juvia ser dele. Mas eu só me importava com Nalu e Jerza T^T

Hiro Mashima brincando com nossos corações em um capítulo extra

O autor já se pronunciou que mesmo com o fim da obra ainda pretende continuar o universo de Fairy Tail, esperamos que nossos ships se realizem Mashima-san!

Anime

Kobayashi-san Chi no Maid Dragon

sábado, abril 22, 2017


Exibição: Inverno 2017
Episódios: 13
Nota no MAL: 8.27
Gêneros: comédia | fantasia | slice of life

Nesta temporada de inverno eu acompanhei 3 lançamentos, mas Maid Dragon foi o único que conquistou meu coração e me deixou triste por ter acabado tão rápido! A história começa quando uma trabalhadora japonesa comum fica muito bêbada depois do trabalho e decide dar uma voltinha pela floresta essas coisas de gente bêbada haha. No dia seguinte ela descobre que apesar de não se lembrar ela conheceu, ajudou e convidou uma dragão à morar na casa dela essas coisas de gente bem bêbada. Essa é a Tooru, que então aprende a conviver com os humanos e passa a demonstrar interesse amoroso pela Kobayashi.

Um pouquinho depois aparece a Kanna, uma dragãozinha que veio procurar a Tooru e acaba morando junto com elas também, a Kanna é mega fofa e começa a considerar a Kobayashi como mãe dela e com isso elas se tornam uma espécie de família lésbica super fofa hahaha


Logo mais alguns amigos da Tooru decidem se mudar para o nosso mundo e viver com outros humanos, com quem não costumam se dar bem no mundo deles que está constantemente em guerra entre a ordem e o caos. Vale ressaltar que a facção da Tooru e dos amigos é o caos btw.

O anime tem um pouco de fanservice desnecessário geralmente relacionado a Quetzalcoatl, uma deusa dragão amiga da Tooru, mas a fofura e a comédia imperam então da pra lidar bem. E eu paricularmente adorei o senso de humor da série.

Alguns dos personagens tiveram inspiração mitológica:

Quetzalcoatl - Curiosamente a fonte de todo fanservise da série é baseada em um Deus originalmente homem, vai entender. Quetzalcoatl é uma divindade mesoamericana cultuada principalmente pelos astecas e toltecas representada como uma serpente emplumada que representa a vida, vegetação abundante e alimento físico e espiritual. Uma lenda implica que ele teria sido levado a tomar uma bebida amaldiçoada e acabou praticando incesto com sua irmã uma sacerdotisa celibata. A Tooru faz referencia a isso algumas vezes no anime falando "...porque a última vez que você ficou bêbada você e sua irmã..." e é imediatamente interrompida.

Fafnir - Baseado na mitologia nórdica. Em A Saga de Volsunga, prosa de 1300, Fafnir teria sido o filho de um rei anão que matou seu pai por um tesouro e se tornou um dragão. Logo no começo do anime Tooru faz uma referencia a isso perguntando à ele como ele guarda seu tesouro ao que ele responde "mate todos eles".

Kanna - Baseada na deusa do trovão da cultura Ainu, nativos da região de Hokkaido (Japão) e algumas regiões da Russia, isso explica inclusive a estampa 'étnica' da roupa da personagem e a brincadeira dela se carregar na tomada.


Resumindo foi um ótimo anime que vai deixar saudades e eu realmente recomendo! E vocês, assistiram alguma coisa da temporada passada?

Facebook

Instagram