Meu flerte particular

terça-feira, dezembro 09, 2014


Caras muito diretos me assustam. Não me importa se a cantada é digna de um galã de novela, se a aparência é de deus grego, se isso mostra interesse ou confiança, não, sou a mais típica gata de rua se não chegar de mansinho eu fujo. Pra mim o flerte tem que ser uma dança sútil, o assunto flui como se eu estivesse fazendo um novo amigo enquanto um sorriso e o toque suave mostram que os dois estão querendo chegar no mesmo lugar.
O primeiro problema com os caras diretos é que eu não conheço eles. O segundo é que não quero conhecer. Qual a graça do flerte sem desafio, sem conquista, se meu coração não palpita enquanto eu calculo se estou brincando certo? O terceiro problema está ai, não sei brincar de mentir, nunca soube, não posso responder aos “quero te ver” vazios que só fazem ecoar na minha cabeça o quanto eu não faço questão, não consigo evitar de preferir uma noite de pijama e seriado a um “vamos sair” precipitado, não consigo responder elogios a minha aparência com real felicidade. Porque não confio em uma palavra do que eles falam. 
Eu gosto assim, na festa a gente conversa tanto que eu já não vejo a hora do beijo, ou se eu te conhecer no Tinder você vai demorar tanto para falar sobre nós no sentido romântico que vou estar achando que você desencanou, apesar de falar comigo todos os dias, mas é certo que já vou estar confiando em você como se te conhecesse a meses. E independente do que acontecer vou te ver pelo menos como um amigo. Isso na verdade é um defeito meu, sou cheia de preconceitos, não gosto dos metidos, dos bonitões, dos galanteadores e populares em geral. Gosto dos inseguros, dos com defeito, dos que se pode ter certeza quando estão minimamente cativados. Dos que você sabe que se não rolar mais nada já valeu a pena a história.

You Might Also Like

4 comentários

  1. "não gosto dos metidos, dos bonitões, dos galanteadores e populares em geral. Gosto dos inseguros, dos com defeito, dos que se pode ter certeza quando estão minimamente cativados. "
    Me identifiquei com esse pedaço, apesar de geralmente preferir um pouco mais direto.
    Não daqueles que já chamam pra sair (por que estão chamando outras 5 também) mas que demonstra interesse. Odeio ficar me perguntando se isso foi uma aproximação ou o jeito da pessoa mesmo.
    Enfim, não comentei, mas em um post antigo seu você disse que achou seu namorado (não sei se ainda está com ele :/) no Tinder e isso me inspirou a dar uma chance ao app e agora estou namorando um menino bem legal e esperando que dê certo ^^

    ResponderExcluir
  2. Eu poderia dizer que sou bem assim também, exceto quando bêbada. Mas bêbado é sempre exceção, eu acho.

    Fiquei papeando dois meses por facebook com meu namorado atual antes de admitir meus sentimentos por ele. Já tinhamos trocados alguns elogios de vez enquando, mas era raro, risos. E assim começou o meu relacionamento que mais tem durado e o melhor que eu já tive em toda a minha vida (curta, diga-se de passagem). :3

    Beijinhos ;*
    Phantasmagorik

    ResponderExcluir
  3. Lindo texto, Kamii! E muito verídico. Eu mesma sou muito tímida, embora não pareça, e tenho medo de homem - sério, um homem faz um comentário mais ambíguo pra mim e eu já gaguejo, me enrolo, corto o assunto e jogo na friendzone. Acho que gosto desses também, com quem dá pra conversar sem medo, e ter a certeza que mesmo não rolando nada, ao menos um amigo, um interlocutor talvez, você já tem. Eu gosto de pensar que amor mesmo (ainda que sei aquele amor de paixonite e não daquele pra vida inteira) vem das pequenas coisas, conversas e relações mais simples. Gente direta demais me assusta - e nem precisa ser cara direto, hahaha!

    Beijo :*

    ResponderExcluir
  4. Concordo com isso, qual é a graça de tudo sem a conquista? Sem o conhecer a pessoa? Relacionamentos vazios não leva ninguém a lugar nenhum. Ótimo texto :)
    Beijos! =**

    ResponderExcluir

Facebook

Instagram